Comunicação Oral

25/03/2021 - 11:15 - 12:45
CC42 - Eixo 3 - Comunicação e Construção de Redes

34981 - A RESPOSTA ARTICULADA À EPIDEMIA DA COVID 19 EM PE: O CASO DA REDE SOLIDÁRIA EM DEFESA DA VIDA.
TIAGO FEITOSA TIAGO - CCBS UNICAP, BERNADETE PEREZ COELHO - MEDICINA SOCIAL CCM UFPE, ANA MARIA DE BRITO - FIOCRUZ PE, TEREZA MACIEL LYRA - FIOCRUZ PE, MANOEL SEVERINO MORAES DE ALMEIDA - CENDHEC UNICAP


Resumo
Trata-se de um relato de experiência orientado pelo apoio institucional às gestões em saúde, coletivos organizados como sindicatos, comunidades, rede escolar, movimentos sociais para respostas articuladas à epidemia da covid 19 em Pernambuco, partindo da ampla comunicação social e dialógica. Este é um grupo colaborativo, fruto da junção de professores, pesquisadores, profissionais de saúde e de diversas áreas que querem contribuir com a resposta à Epidemia da Covid-19 em Pernambuco. Atua com os objetivos de contribuir com a Assistência e Vigilância Epidemiológica na contenção da epidemia pela Covid19 em Pernambuco; Apoiar as populações mais vulneráveis, como indígenas, presidiários, migrantes, moradores de
rua e ambulantes; Contribuir para uma rede de solidariedade às pessoas em isolamento social, com ênfase nos idosos, mulheres e crianças; Ser um centro disseminador de informações, com ênfase na comunicação popular junto às pessoas que atuam em rádios comunitárias e outros meios de comunicação. Foram elaborados documentos, parecer técnico, participação em debates nacionais e regionais, trabalhos, artigos de modo a colocar em análise as medidas, as instituições e o próprio coletivo, ampliando as possibilidades de acertos e melhores intervenções.

Introdução
A distribuição da pandemia pela Covid-19 no Brasil não se dá de forma homogênea, tendo cenários epidemiológicos distintos não apenas entre os estados, mas também em municípios de um mesmo estado e dinâmicas próprias com relação ao início da introdução do vírus em cada localidade, sua propagação e rede de disseminação (1). A heterogeneidade da covid 19 no país decorre de diferenças socioculturais, econômicas e da capacidade de resposta na área da saúde e de assistência social de cada localidade. Este quadro foi agravado pela falta de uma coordenação do governo federal com ações e políticas para controlar o problema e reduzir os impactos evitáveis. A situação da epidemia em PE é grave e complexa com mais de 8 mil mortes e 147 mil casos confirmados até a presente data (2), franca interiorização, resposta baseada em estrutura hospitalar provisória e pequena valorização da APS. Organizou-se um movimento interdisciplinar e interprofissional de pesquisadores, professores e profissionais de saúde, defensores públicos, juristas, jornalistas advogados e defensores de direitos humanos para apoio na resposta articulada à Epidemia pela Covid-19 em Pernambuco: a Rede Solidária em Defesa da Vida.


Objetivos
Relatar a experiência da Rede Solidária em Defesa da Vida (Rede Sol) como coletivo organizado para apoio na resposta à epidemia pela covid-19 em Pernambuco, na formulação de propostas, intervenções conjuntas, interlocução com as autoridades públicas relativas a questões mais urgentes e críticas, no apoio às populações mais vulneráveis e no fortalecimento do Sistema Único de Saúde.


Metodologia
O relato da experiência aqui descrita utilizou método construtivo de articulação entre informação, texto, análise e práxis de um coletivo organizado para produção de saúde. Produção fundamentada teoricamente e influenciada pela práxis profissional e política do coletivo que, implicado, intervém na realidade. Um grupo colaborativo interprofissional e interdisciplinar foi organizado em março de 2020 e publicou, neste mesmo mês, o primeiro documento com ações para: organização da Rede de Atenção e Vigilância Epidemiológica; apoiar as populações mais vulneráveis, como indígenas, presidiários, migrantes, moradores de rua e ambulante; contribuir para uma rede de solidariedade às pessoas em isolamento social, com ênfase nos idosos, mulheres e crianças; ser um centro disseminador de informações, com ênfase na comunicação popular junto às pessoas que atuam em rádios comunitárias e outros meios de comunicação.

Resultados e Discussão
Foram elaborados, entregues às autoridades e amplamente divulgados sete documentos compondo o plano de respostas articuladas, a saber:
1.Contribuições Iniciais Gerais;
2.Carta aos gestores municipais;
3.Contribuições para a resposta à epidemia da covid 19 no acolhimento da população em situação de rua e acesso ao isolamento social;
4.Ação solidária em defesa da vida dos profissionais de saúde;
5.A Proteção dos Trabalhadores e Trabalhadoras de Saúde nos Hospitais;
6.Alerta geral: hora de lockdown;
7.Sobre o retorno às atividades escolares presenciais no Estado de Pernambuco (3).
Ainda, organizou-se uma forte estratégia de comunicação social e parceria entre a Rede Sol e a Marco Zero Conteúdo, grupo de jornalistas livres e implicados com o combate ao negacionismo, desinformação e infodemia. Com base nos dados epidemiológicos que indicam a clara persistência de transmissão ativa do vírus em todos os 184 municípios do estado, e, considerado que o direito à vida é uma garantia fundamental, a Rede Sol vem apoiando as respostas baseadas na existência de medidas que possam ser acionadas para preservar a vida de todas as pessoas, com proteção aos mais vulneráveis.

Conclusões / Considerações finais
A epidemia da covid 19 no estado de PE trouxe graves consequências sociais, subjetivas, políticas e precisa ser enfrentada colocando a vida das pessoas acima de todas as outras racionalidades.É urgente o fortalecimento do SUS no Estado, valorização da APS e vigilância epidemiológica, investimento em leitos de enfermarias e UTIs nas redes já estabelecidas e não estruturas provisórias, valorização dos trabalhadores e trabalhadoras de saúde, bem como enfrentamento de fragilidades passíveis de solução a curto, médio e longo prazo. A Rede Sol aponta o futuro como problema dinâmico e não como imutável, bem como para possibilidades concretas e viáveis de resposta ampliada à epidemia capaz de permitir o retorno a um outro contexto de saúde e autonomia, não o retorno da normalidade das minorias. As redes de saúde, escolares, movimentos sociais fazem parte dessa resposta de forma integrada e articulada, devendo ser priorizados como centrais para uma práxis que valorize as pessoas e territórios.

Referências
1. Brito, Ana. https://www.tce.pe.gov.br/internet/index.php/mais-noticias-invisivel/306-
2020/agosto/5520-debate-necessario-audiencia-publica-discute-volta-as-aulas-no-estado
2. PE: Boletim Nº208: BOLETIM COVID-19 - COMUNICAÇÃO SES – PE, quinta-feira, 24/09/2020
3. Contribuicões para o retorno às atividades escolares presenciais no contexto da pandemia da covid19. https://portal.fiocruz.br/sites/portal.fiocruz.br/files/ documentos/
contribuicoes_para_o_retorno_escolar_-_08.09_4_1.pdf

Trabalhos Aprovados

Veja as orientações sobre a apresentação dos trabalhos.

SAIBA MAIS
Programação Científica

Consulte a programação completa das palestras e cursos disponíveis.

SAIBA MAIS
Informações Importantes

Informe-se!
Veja as últimas notícias!

SAIBA MAIS