Sessão Assíncrona

23/03/2021 - 09:00 - 18:00
SA55 - Eixo 7 - EDUCAÇÃO EM SAÚDE (TODOS OS DIAS)

34741 - REDES SOCIAIS COMO UMA FERRAMENTA PARA EDUCAÇÃO EM SAÚDE: PARCERIA COM A POLÍTICA MUNICIPAL DE HIV/AIDS, ISTS E HEPATITES VIRAIS
LUIZA SILVEIRA DE OLIVEIRA - UFSM, LAÍS MARA CAETANO DA SILVA - UFSM, PATRÍCIA PORTO ALMEIDA - UFSM, MARIA DENISE SCHIMITH - UFSM, PEDRO FREDEMIR PALHA - USP, JULIA ZANCAN BRESOLIN - SECRETARIA MUNICIPAL DE SANTA MARIA/RS. SECRETARIA DO MUNICÍPIO DA SAÚDE., MÁRCIA GABRIELA RODRIGUES DE LIMA - SECRETARIA MUNICIPAL DE SANTA MARIA/RS. SECRETARIA DO MUNICÍPIO DA SAÚDE.


Resumo
Introdução: As tecnologias de informação e comunicação apresentam-se como importantes elementos para a educação em saúde, pois aproximam a academia da sociedade. Assim, evidencia-se o potencial das redes sociais como ferramenta para a promoção da saúde, fornecimento e disseminação de informações acerca das políticas públicas de saúde. Objetivos: Descrever o processo de concepção, planejamento e implementação de postagens acerca de infecções transmissíveis como o HIV/aids, hepatites virais e tuberculose nas redes sociais da Política Municipal de HIV/aids, ISTs e Hepatites Virais de Santa Maria/RS. Metodologia: Com o intuito de disseminar as informações, foi criada uma conta em determinada rede social e a vinculação com uma conta em outra rede social, como meio de desenvolver um maior contato com a população. Resultados e Discussão: Considerando os recursos que a internet oferece, um maior alcance das informações à população se constitui como um dos resultados esperados, assim como a sensibilização acerca da prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças transmissíveis. Considerações Finais: A forma dinâmica e contínua de postagens em redes sociais proporciona maior visibilidade às práticas de cuidado em saúde, uma vez que dinamizam a disseminação de conhecimentos junto à população e contribuem com a prevenção das doenças transmissíveis prevalentes no município.

Introdução
Na sociedade hodierna, as tecnologias de informação e comunicação apresentam-se como importantes elementos para a educação em saúde, visto que aproximam a academia da sociedade. No contexto da pandemia do novo coronavírus, a utilização dessas mídias foi impulsionada, uma vez que tornaram-se o principal meio de interação social. Sob essa perspectiva, evidencia-se o potencial das redes sociais como ferramenta para a promoção da saúde, prevenção de doenças e fornecimento de informações acerca das políticas públicas de saúde, como as ações de prevenção de infecções sexualmente transmissíveis, HIV e hepatites virais, em parceria com a Política Municipal de HIV/aids, ISTs e Hepatites Virais de Santa Maria/RS.
Essas plataformas atuam como mediadoras, integrando o cotidiano da população e contribuindo para a melhoria das condições de saúde. Assim, observa-se a necessidade da utilização de estratégias de ensino e aprendizagem que oportunizem maior autonomia dos sujeitos, visto que as relações verticalizadas, nas quais o profissional é o único detentor do conhecimento e o sujeito é considerado como alguém sem conhecimentos prévios, não satisfaz as necessidades atuais (PINTO et al., 2017).

Objetivos
Descrever o processo de concepção, planejamento e implementação de postagens acerca das infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), HIV, hepatites virais e tuberculose (TB) nas redes sociais da Política Municipal de HIV/aids, ISTs e Hepatites Virais de Santa Maria/RS, como meio de promover a educação em saúde da comunidade e aproximá-la do conhecimento científico, gerado pelas universidades e centros de pesquisa, fortalecendo a prevenção das doenças transmissíveis anteriormente citadas.

Metodologia
Com o intuito de disseminar informações acerca de doenças transmissíveis, como as ISTs, hepatites virais, HIV e TB, foi criada uma conta em rede social, como meio de desenvolver um maior contato com a população que se utiliza de serviços da Rede de Atenção à Saúde do município. Ainda, houve a vinculação com a página de outra rede social da política municipal para a realização de postagens semanais, elaboradas por duas bolsistas acadêmicas do curso de enfermagem, sob orientação da coordenadora do projeto. Ainda, as bolsistas participaram de um Workshop sobre mídias sociais, ministrado por graduandos bolsistas do Programa de Educação Tutorial do Curso de Enfermagem vinculado à Instituição de Ensino Superior visando habilitar as acadêmicas para a elaboração do conteúdo das redes sociais.

Resultados e Discussão
Considerando os recursos que a internet oferece, é mister que seja utilizada para informar e promover a educação em saúde de modo acessível, tendo em vista a disponibilidade das acadêmicas em sanar possíveis dúvidas por meio de conversas privadas nas plataformas, ofertando maior privacidade para que o usuário sinta-se confortável para expor suas dúvidas e receber as devidas orientações.
No período de julho a setembro foram realizadas 22 postagens, com os principais temas relacionados a ISTs, construídos de forma didática com imagens e conteúdos interativos. Com 172 seguidores, as postagens com maior alcance foram sobre a Política Municipal de HIV/AIDS, ISTs e Hepatites Virais com 39 visualizações, os Testes rápidos para HIV, Sífilis, Hepatite B e C com 32 visualizações e sobre a Coinfecção Tuberculose e HIV com 24 visualizações.
Nesse sentido, um maior alcance das informações aos usuários do sistema de saúde se constitui como um dos resultados esperados, assim como a sensibilização acerca da prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças transmissíveis, haja vista o potencial das redes sociais em aproximar a população dessas informações.


Conclusões / Considerações finais
A conjuntura atual evidencia a importância da adaptação dos profissionais da área da saúde, que precisam de algum contato com a população para desenvolver ações de prevenção de doenças e promoção da saúde. Tendo em vista que os profissionais da saúde, em seu processo de trabalho, sofrem influências a partir das transformações históricas da sociedade e precisa adaptar-se de permanentemente ao contexto em que está inserida. Dessa forma, as redes sociais apresentam-se como uma maneira de disseminar informações importantes para o cuidado da saúde, especialmente em meio ao distanciamento social resultante do momento atual.
Por fim, destaca-se que a forma dinâmica e contínua de postagens em plataformas digitais proporciona maior visibilidade às práticas de cuidado em saúde, uma vez que dinamizam e potencializam a disseminação de conhecimentos, viabilizando a educação popular em saúde e o seu empoderamento em decorrência da aquisição de conhecimentos.


Referências
PINTO, A. C. S.; SCOPACASA, L. F.; BEZERRA, L. L. A. L. et al.. Uso de tecnologias da informação e comunicação na educação em saúde de adolescentes: revisão integrativa. Rev enferm UFPE on line., Recife, 11(2):634-44, fev., 2017.
FRANCA, T.; RABELLO, E.T.; MAGNAGO, C. As mídias e as plataformas digitais no campo da Educação Permanente em Saúde: debates e propostas. Saúde debate, Rio de Janeiro, v. 43, n. spe1, p. 106-115, Ago. 2019.
CRUZ, D.I. et al. O uso das mídias digitais na Educação em Saúde. Cadernos da FUCAMP, Minas Gerais, v.10, n.13, p.106-129/2011.
Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura. Diretrizes de Políticas da Unesco para a aprendizagem móvel. Brasília, DF: Unesco; 2014.

Trabalhos Aprovados

Veja as orientações sobre a apresentação dos trabalhos.

SAIBA MAIS
Programação Científica

Consulte a programação completa das palestras e cursos disponíveis.

SAIBA MAIS
Informações Importantes

Informe-se!
Veja as últimas notícias!

SAIBA MAIS