Sessão Assíncrona

23/03/2021 - 09:00 - 18:00
SA74 - Eixo 8 - POLÍTICAS DE SAÚDE E GESTÃO DO CUIDADO EM REDES (TODOS OS DIAS)

34093 - PANORAMA E DESAFIOS DO PLANIFICASUS EM UMA REGIÃO DE SAÚDE DE UM ESTADO DO SUL DO BRASIL
JACKELINE DA ROCHA VASQUES - SESA PR E UFPR, CAROLINA BELOMO DE SOUZA - UFPR, LARISSA KAROLLYNE DE OLIVEIRA SANTOS - SBIBAE E USP, AIDA MARIS PERES - UFPR, GISELE ROCHA - SESA PR, JULIANA ISTCHUK BRUNING DE OLIVEIRA - SESA PR, MARIA GORETTI DAVID LOPES - SESA PR


Resumo
Introdução: O Projeto A Organização da Atenção Ambulatorial Especializada em rede com a Atenção Primária à Saúde (PlanificaSUS), é uma metodologia desenvolvida pela Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein (SBIBAE) em parceria com o Conselho Nacional de Secretários da Saúde (CONASS) para apoio às Secretarias Estaduais de Saúde. O projeto propõe a implantação da metodologia da Planificação da Atenção à Saúde (PAS) para planejamento e organização da Rede de Atenção à Saúde no Sistema Único de Saúde. Com base nessa perspectiva, a Secretaria de Estado da Saúde do Paraná (SESA PR), aderiu ao PlanificaSUS em maio de 2019, o qual é piloto na 4ª Região de Saúde do Paraná. Objetivos: Apresentar a experiência estadual na implantação da metodologia da PAS na 4ª Região de Saúde, até o momento. Métodos: estudo descritivo com base na análise documental do Sistema PlanificaSUS no período de maio de 2019 a abril de 2020. Resultados: Desde o início do projeto na região em média 780 profissionais participaram dos workshops, a média de realização de oficinas tutoriais foi de 83,3% na APS e 100% na AAE Conclusão: A implantação da metodologia da Planificação da Atenção à Saúde possibilitou a otimização dos processos na APS enquanto Centro Comunicador da Rede e a AAE enquanto suporte da APS de forma a desempenhar a função assistencial, educacional e supervisional.

Introdução
Uma das estratégias para aperfeiçoar o Sistema Único de Saúde (SUS) é a organização da Rede de Atenção à Saúde (RAS) a partir da integração e fortalecimento da Atenção Primária à Saúde (APS). O modelo de atenção à saúde vigente é fragmentado e não atende as necessidades de saúde da população, sendo economicamente inviável para o sistema de saúde1. Para sua efetivação, um modelo de atenção à saúde precisa ser contínuo, proativo e integrado, compatível com o manejo adequado das condições agudas e crônicas2.
O projeto A Organização da Atenção Ambulatorial em Rede com a Atenção Primária à Saúde (PlanificaSUS) proposto pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS) e executado pela Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein (SBIBAE) apoia as secretarias de saúde no planejamento e organização da atenção à saúde na APS com foco nas necessidades dos usuários. Baseia-se em evidências, de acordo com o Modelo de Atenção às Condições Crônicas (MACC)1; e na construção social, com uso da metáfora da construção de uma casa para a organização dos processos3. O projeto foi aderido pela Secretaria de Estado da Saúde do Paraná em maio de 2019, e é piloto na 4ª Região de Saúde.

Objetivos
Apresentar a experiência do Estado do Paraná na implantação da metodologia da PAS na 4ª Região de Saúde, os desafios e possibilidades encontrados até o momento. A proposta do PlanificaSUS é apoiar o corpo técnico-gerencial das Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde, na organização dos macroprocessos da APS e da Atenção Ambulatorial Especializada (AAE), sendo compreendidas como um momento de discussão e mudança no modus operandi das equipes e dos serviços.4

Metodologia
Foi realizado um estudo descritivo de análise documental do Sistema PlanificaSUS, entre maio de 2019 a abril de 2020.
O projeto é operacionalizado em seis etapas (Integração da APS e AAE em Rede; Território e Gestão populacional; Acesso à RAS; Gestão do Cuidado; Integração e Comunicação na RAS e Monitoramento e Avaliação), se desenvolve por meio de ciclos de workshops, oficinas tutoriais, etapa controle e cursos curtos conduzidos com o apoio de dois tutores estaduais, dois tutores regionais, 10 tutores locais, um analista e um consultor do Hospital Israelita Albert Einstein.
Participam os profissionais dos serviços da APS e AAE, dos demais serviços relacionados à linha de cuidado prioritária e da gestão. Representando um total de nove unidades laboratórios da APS (uma por município), sendo uma delas a unidade referência (vitrine) para as demais e um ambulatório multiprofissional especializado organizado no MACC, referência para a região.

Resultados e Discussão
No período de maio a julho de 2019 aconteceu a etapa preparatória de adesão da SESA e municípios ao projeto, estiveram presentes 131 gestores, dentre prefeitos, secretários municipais e estadual de saúde e outros. Entre agosto de 2019 a abril de 2020 aconteceram 04 workshops que contaram com a participação média de 780 profissionais de saúde, 08 oficinas de formação de tutores com a participação de 15 tutoras e oficinas tutoriais que contaram com a participação média de 26 profissionais.
O dashboard das etapas 1 e 4 do projeto apontou o desempenho das equipes da AAE e APS. Na etapa 4, apresentou 42,62% (um avanço de 16,39%) nos microprocessos básicos da AAE, 52,27% (+34,85%) na função assistencial, 23,53% (+23,53%) na função supervisional e 9,30% na educacional. Quanto a APS do município sede (vitrine), inicialmente apresentava 33,12% dos macro e microprocessos da APS e 24,14% da atenção preventiva, na etapa 4, apresentou significativo avanço sendo: 53,90% (+20,78) dos macro e microprocessos da APS, 46,15% macroprocessos dos eventos agudos, 40,54% das condições crônicas, 72,41% (+48,27) atenção preventiva, 66,67% atenção domiciliar, 14,29% autocuidado apoiado e 60% do cuidado paliativo.

Conclusões / Considerações finais
A implantação da metodologia possibilitou a otimização dos processos na APS enquanto Centro Comunicador da Rede e a AAE enquanto suporte da APS de forma a desempenhar a função assistencial, educacional e supervisional. As oficinas tutoriais permitiram o desenvolvimento de competências de conhecimento, habilidade e atitude das equipes, através de instrumentos e atividades práticas com olhar crítico para as necessidades da região e capacidade instalada baseado em evidências.
Encontrou-se como limitação a participação dos gestores no processo de Planificação, o que comprometeu a implantação de melhorias nas unidades e equipes como um todo. Alguns gestores relataram que as oficinas tutoriais são focadas na equipe assistencial, e sugeriram a existência de um momento para o desenvolvimento específico dos líderes e outros para participarem com a equipe.

Referências
1. Mendes EV. As redes de atenção à saúde [Internet]. Brasília, DF: Organização Pan-Americana da Saúde/ Organização Mundial da Saúde/Conselho nacional de Secretários da Saúde; 2011
2. Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein PLANIFICASUS: Workshop 1 - A integração da Atenção Primária e da Atenção Especializada nas Redes de Atenção à Saúde. / Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein. São Paulo: Hospital Israelita Albert Einstein: Ministério da Saúde, 2019. 36 p.: il.
3. Mendes EV. A construção social da atenção primária à saúde [Internet]. Brasíla, DF: Conselho Nacional de Secretários de Saúde; 2015.
4. Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde. O imperativo da consolidação da estratégia de saúde da família [Internet]. Brasília, DF: Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde/Conselho nacional de Secretários da Saúde; 2012 [cited 2019 Jul 2019].

Trabalhos Aprovados

Veja as orientações sobre a apresentação dos trabalhos.

SAIBA MAIS
Programação Científica

Consulte a programação completa das palestras e cursos disponíveis.

SAIBA MAIS
Informações Importantes

Informe-se!
Veja as últimas notícias!

SAIBA MAIS